Anuncie aqui!

RECONHECENDO DEUS

16 de mar de 2011
michel reis
“O meu povo foi destruído porque lhe falta conhecimento..” Oséias 4:6a “Então, conheçamos e prossigamos em conhecer o Senhor;” Oséias 6:3a.  
A falta de conhecimento da vontade de Deus e do próprio Deus tem sido crucial para o sucesso ou fracasso, vitória ou derrota dos crentes.
Daniel disse que “o povo que conhece o Senhor se tornará forte e fará proezas”Dn.11:32b. Veja que ele não disse nada sobre conhecer a palavra de Deus mas o Deus da palavra.
Conhecer o Deus que falou todas as coisas que nos inspiram na fé. Conhecer o Deus que nos amou de tal maneira que não poupou o seu próprio filho.

Conhecer este Deus irá determinar o resultado das nossas vidas no futuro, pois o que conhecemos hoje é, também, o que cremos e, o que cremos, é a base que sedimenta a estrutura que está sendo edificada. Estrutura que será a habitação da glória de Deus ou da vergonha de Satanás.

A falta de conhecimento de Deus, do nosso Deus, tem levado o homem por tantas vertentes doutrinárias que o têm deixado em trevas muito mais densas do que aquelas nas quais vivia quando não conhecia nada a seu respeito.
Paulo orou para que Cristo – ou o seu caráter - fosse formado no coração dos gálatas. A imagem que tem sido formada no coração da maioria dos filhos de Deus, hoje, não tem sido revelada pelo Seu Espírito, mas pela idéia torta e desconexa que muitos pregadores tem traçado dos seus púlpitos. Idéias que surgiram das suas experiências pessoais regadas a frustrações e decepções, resultado do conhecimento revelado por uma mentalidade carnal e humana que não se submete à revelação do Espírito Santo.

 O fato de não terem, em suas mentes, a compreensão do uso adequado dos princípios de Deus, para usufruirmos de todas as suas promessas, têm difundido a idéia de que Deus faz o que quer, quando quer, como quer e se quiser e, isto, quando Paulo disse que, “para cada promessa de Deus, temos um sim e um amém para que Deus seja glorificado por nosso interrnédio”.Por não terem aprendido como receber algo de Deus mediante o uso da fé que Deus repartiu a cada um de nós, seus filhos, foram levados ao fracasso no seu crer, operando neles toda sorte de idéia errada sobre a vontade do nosso Deus.

Lendo a história de Rute, como ela seguiu a sua sogra, Noemi e, como se dispôs a seguir também o seu Deus, recebendo um final glorioso para alguém que, a principio, não participava da aliança entre Deus e o homem, não fiquei surpreso como as idéias erradas sobre Deus são tão antigas. Noemi, como muitas pessoas hoje em dia, adotava um caminho inverso no modo como definia o caráter de Deus. Como hoje em dia, ela definia o caráter de Deus e a sua vontade, usando como argumento, as suas experiências, ao invés de usar o conhecimento do caráter de Deus para determinar o rumo das suas experiências. Ao voltar para a sua terra, sendo cumprimentada por aqueles que a conheciam, disse que a saudação deveria ter expressar outra conotação. Ao invés de alegrias, tristezas, pois o Senhor lhe trouxera desgraça e não benção, tornando-a amarga. Rute 1:21. Algum tempo depois, quando sua nora caiu nas graças de um bom homem, Boaz, vindo a se tornar sua esposa, ela disse:”Bendito seja ele do Senhor, o qual não deixou de ser bom para com os vivos nem para com os mortos” Rute 2:20. Dois momentos diferentes da sua história duas declarações diferentes do seu Deus. 

Deus tem assumido uma imagem distorcida nos nossos corações porque temos invertido o critério que precisamos utilizar na hora de julgarmos as coisas que nos acontecem. A falta de conhecimento de Deus tem nos levado a esta inversão. Não deveríamos julgar Deus pelas circunstâncias da nossa vida nem pelo rumo que elas nos levam. Deveríamos, antes, procurar conhece-lo para depois dizermos se o que acontece conosco é fruto da sua vontade ou não. Asseguro que por esse caminho experimentaremos de paz e alegria constantes, pois ainda que as circunstâncias não revelem a vontade de Deus, permanecermos firmes na fé e veremos a sua glória manifesta na nossa vida.

0 comentários:

Postar um comentário

Michel Reis.